“O sonho ainda não acabou”, diz Mazola após derrota do Paysandu

Treinador ainda vê possibilidade do Papão conseguir uma vaga no G4 da Terceirona

MAZOLA-CUIABA

O técnico Mazola Júnior definiu o confronto entre Paysandu e Cuiabá como equilibrado. O comandante enumerou as qualidades do adversário para explicar a derrota por 2 a 1 dentro da Curuzu, na partida que aconteceu neste sábado, pela Série C.

- Sabíamos que seria um jogo difícil, de decisão, que se resolveria nos detalhes. Eles tiveram duas finalizações e fizeram dois gols. Foi competência. Nós, nas poucas situações que conseguimos criar, colocamos apenas uma para dentro. Penso que, no contexto geral, o jogo não fugiu do que prevemos. Foi igual, parelho, mas não bem jogado. O Cuiabá foi mais competente que a gente. É uma equipe de qualidade do meio para frente- disse.

O Paysandu teve dois jogadores que pouco renderam no resultado negativo dentro de casa: o lateral-direito Yago Pikachu e o meia Rafael Tavares. Pikachu, inclusive, chegou a reclamar de ter que jogar fora da sua posição de origem, a ala, trabalhando mais no setor de armação e ataque do time. Mazola afirmou que as escolhas aconteceram por falta de opções no elenco.

- Essa história do Yago já deu. Nos jogos que fez comigo jogou na ala ou na linha média, pela carência de armação na equipe. No ano todo não conseguimos achar um armador. Jogadores chegaram e não conseguiram render. O Rafael é um meia canhoto, trabalhou bem nos treinos, mas no jogo não correspondeu. Em nenhum momento ele conseguiu encontrar o futebol de quando esteve no Luverdense. Essas foram as opções que tínhamos.
Apesar do clube paraense ter perdido a oportunidade de entrar no G4 do Grupo A caso vencesse a equipe mato-grossense, o treinador ainda vê chances de classificação à próxima fase, já que, com 20 pontos, os bicolores ainda têm mais dois jogos pela frente, contra Treze, que briga contra o rebaixamento, e Crac, praticamente rebaixado à Série D.

- Foram três pontos valiosos (perdidos), mas o sonho ainda não acabou. O golpe foi duro, mas é esfriar a cabeça. Na terça-feira temos que recomeçar o trabalho com a cabeça erguida. A equipe se doou, suou a camisa e agora é se preparar para vencer o Treze, caso isso não aconteça, a possibilidade de classificação acaba. Matematicamente é possível. Não vamos jogar a toalha e não tem porque abandonar o barco.

GE

Zé Antônio reclama de falha e Yago diz que resultado é “desesperador”

Derrota para o Cuiabá deixa o Paysandu em situação complicada na tabela. Dupla, porém, acredita na classificação e promete vitória fora de casa “para compensar

A derrota para o Cuiabá em casa, de virada, foi um resultado que pegou de surpresa a maioria dos torcedores do Paysandu. Com a Curuzu lotada, o Papão até que começou bem a partida e abriu o placar logo aos 14 minutos, com Bruno Veiga, mas depois arrefeceu e deu espaço ao Dourado. Os gols do time mato-grossense foram todos em contra-ataque, após falha da defesa alviceleste. Para o volante Zé Antônio, são situações que não podem ser repetidas nos próximos jogos.

– A gente fez um bom primeiro tempo, mas algumas coisas que não podem acontecer. A gente tomou um gol estranho, falha de todo mundo. A gente contava com uma vitória em casa. Agora temos que vencer fora também para compensar – lamentou o capitão do time.

Agora, o Paysandu vive situação bastante complicada na Série C. Para conseguir se classificar para a próxima fase, os bicolores não só precisam vencer os próximos jogos, mas também torcer contra as equipes acima na tabela, como o próprio Cuiabá, CRB e Salgueiro. Para Yago Pikachu, o time realmente teve uma atuação decepcionante, mas ainda acredita na classificação.

– Um resultado imprevisível. A gente lutou tanto para buscar os pontos fora de casa que precisávamos, e chegou aqui e decepcionamos a torcida. Realmente um resultado muito desesperador. Todo mundo estava contando com essa vitória para entrar no G4. Agora temos que vencer as duas e torcer contra os outros adversários. Mas ainda temos chances de classificar – analisou o jogador.

Uma das explicações dadas por Pikachu para o seu fraco desempenho é a dificuldade em se adaptar a sua nova posição, imposta pelo técnico Mazola Júnior. Originalmente lateral-direito, o jogador tem atuado no meio e até como atacante. Sua preferência, porém, é por voltar a ser efetivamente o camisa 2. Contra o Cuiabá, Yago revelou não saber em qual posição jogou.

– Acho que em nenhuma. A gente fica sem noção de espaço. Eu comecei ali pela direita, mas também tinha o Everton Silva e depois entrou o Djalma por ali. Eu fiquei meio perdido. Tentei me deslocar para a esquerda, mas reconheço que tive uma atuação abaixo da média. Tenho tentado dar o meu máximo, mas volto a ressaltar que a minha posição de origem é a lateral-direita. Nos dois últimos jogos atuei na lateral e acho que fui muito bem. Mas aonde o treinador quiser me colocar, seja no meio, lateral ou ataque, vou tentar fazer o meu melhor – explicou Pikachu.

O Paysandu ainda tem dois jogos a fazer na Série C. Na segunda-feira da outra semana, dia 29, encara o Treze-PB novamente na Curuzu. No final de semana seguinte, dia 4 de outubro, viaja até Catalão para encarar o já rebaixado Crac.

GE

Vivendo fases diferentes, Paysandu e Cuiabá lutam por possível vaga no G4

Clube alviceleste não perde há três jogos e terá torcida ao seu lado, enquanto Dourado viaja ao Pará de técnico novo e buscando se reerguer na tabela da Série C

A proximidade na tabela não reflete necessariamente o momento de Paysandu e Cuiabá na Série C. Se no Papão o clima é de certa tranquilidade pela arrancada nos últimos cinco jogos, o Dourado passa por um momento de transição e incertezas na reta final da primeira fase do Brasileiro. Por isso, durante a semana as duas equipes deixaram claro que o confronto será encarado como uma decisão, cujo vencedor poderá entrar no G4.

Curuzu, nova curuzu

Jogando em Belém, o técnico Mazola Júnior espera demais que a torcida faça a diferença na Curuzu. Após o empate sem gols com o Fortaleza no domingo passado, o treinador do Paysandu pediu que os bicolores transformem o Estádio Leônidas Castro na “Curubombonera”. A boa relação com a Fiel se dá ao fato de que o time perdeu apenas um dos últimos cinco jogos, venceu três e empatou com o líder da competição. Na visão de Mazola, a equipe vive seu melhor momento na Terceirona e está a apenas um ponto da zona de classificação.

De treinador novo, o Cuiabá encara neste sábado a primeira das três decisões que tem nesta reta final da Série C do Campeonato Brasileiro. O duelo contra o Paysandu é o chamado jogo de seis pontos, pela proximidade dos dois na tabela. Apenas um ponto separa o time paraense, quinto colocado, do Dourado, em sexto. A partida marca a estreia do treinador Márcio Goiano, substituto do demitido Luciano Dias, que não resistiu aos cinco jogos sem vitória. A chegada da nova comissão técnica é para dar novo ânimo ao clube, que ainda tem chances de garantir uma vaga no G4 do Grupo A.
O confronto entre Papão e Dourado está marcado para as 18h30 e terá um trio de arbitragem paulista. Leandro Bizzio Marinho será o árbitro central, Alberto Poletto Masseira será o assistente nº 1 e Maiza Teles Paiva a assistente nº 2

GE